Name: Eveline Alvarez
Where: Somewhere in the middle of nowhere
how old?: Enough
ICQ: 75567982
MSN: eveline_alvarez@msn.com
Orkut: Ask me
Eu sou Eveline, vivo no Brasil,sou carioca mas moro na Paraíba, João Pessoa.Sou professora de inglês.Gosto muito de teatro, cinema, música, comida japonesa, amizade, amar e sentir a vida...



visite o meu fotolog




Blogs que leio

Cosmic Library
Se7e Causas
Mal de Ashna
Eu e a Felicidade
Viage
A Hora da Quimera
Trocando em Miúdos
Electrical Storm
Variações de um mesmo Tema
As Horas e a Dor de Viver
Armazem
Misturismo
Da Janela
Cinelandi@
Perto do Coração Selvagem
Café Alexandrino
Norófen
Mãe 24 horas
No Espelho
In between days

Sites que visito

Radiohead
The Internet Movie Database
Arquivo X
Google
Charges
Porta Curtas Petrobrás
U2
Alanis Morissette
Clarice Lispector

Devaneios antigos

2007
- Janeiro
- Fevereiro
- Abril
- Maio
- Julho

2006
- Janeiro
- Fevereiro
- Março
- Abril
- Maio
- Junho
- Julho
- Agosto
- Setembro
- Outubro
- Novembro
- Dezembro

2005
- Janeiro
- Fevereiro
- Março
- Abril
- Maio
- Junho
- Julho
- Agosto
- Setembro
- Outubro
- Novembro
- Dezembro

2004
- Janeiro
- Fevereiro
- Março
- Abril
- Maio
- Junho
- Julho
- Agosto
- Setembro
- Outubro
- Novembro
- Dezembro

2003
- Janeiro
- Fevereiro
- Março
- Abril
- Maio
- Junho
- Julho
- Agosto
- Setembro
- Outubro
- Novembro
- Dezembro



Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Quarta-feira, Setembro 26, 2007
A maioria das coisas acabam

Há algumas semanas venho pensando neste blog. Já li vários arquivos. Lembrei de coisas que aconteceram. Pensei no estilo dele. Ele começou mesmo como um diário virtual em 2003. Eu acho que já não sou a mesma escritora de 2003. Eu não quero fazer disso um diário mais. Há uma tendência em falar de mim. Em escrever demais em 1º pessoa. Acho que não quero mais isso. Pelo menos é o que eu sinto agora.
Esse ano tem sido muito grandioso. Tantas coisas ruins aconteceram. Tantas coisas boas acontecem. Me assusto.Uma das coisas que aconteceram foi ter conhecido duas pessoas que me impulsionaram a voltar escrever do jeito que eu imaginava. Que queria e sentia. Isso tem acontecido mas não creio que “Os devaneios diários” façam mais parte desse processo. É estranho dizer isso. Algo se quebra. Tantas escritos existem nesses arquivos. Tanto de mim. Do que foi e do que já não é mais. Tantas dores e amores. Não sei. Não sei o que fazer com isso tudo aqui mas já existe outro blog. Sim, já existe outro blog. Sinto...esse tem que parar. Acho. Não o deletarei. Não apagarei de mim as coisas que estão aqui.
É isso, gente. Fico por aqui sem a certeza de uma volta.
Enquanto isso fiquem com “ Ao Relento”.
Algumas coisas são assim.
Eveline

http://www.relento.blogspot.com
Eveline | 09:21 |
Domingo, Setembro 16, 2007
Texto de hoje é ... de alguém quem tem me mostrado muita coisa boa....

Dois


Ao som de Mapa do meu nada – Cássia Eller,

Muito do que sentia não se explicava. Por isso quando alguém lhe perguntava o que tinha, ele sempre soltava: Nada. Seus olhos, no entanto, provavam o contrário e por esse motivo ele nunca olhava nos olhos de quem lhe fazia essa pergunta.
Estava em uma festa, apartamento de uns amigos, muita bebida, baseados rolando de boca em boca e Janis tocando no aparelho de dvd. Um grupinho estava sentado no chão da sala por entre almofadas, fumavam e conversavam sobre sexo. Um outro grupinho formava um semicírculo num canto próximo da janela, onde ele estava, fitava o vazio com um olhar distante quando Mel se aproximou. Ela lhe ofereceu um copo com vinho e falou:
– Ta tudo bem contigo, Dé?
Ele bebericou o vinho e, sem olhar para ela, respondeu:
– Sim.
Ela pareceu realmente decepcionada com a resposta curta e direta e o silêncio que a seguiu. Acendeu um cigarro, pensativa.
– Você não quer dar uma volta? – Perguntou – Eu pego uma garrafa de vinho aqui com o pessoal e gente dá uma saidinha, que tal? Você não vai precisar me dizer nada, a noite ta uma maravilha e quem sabe você não se anima mais um pouco, hã?
Ele permaneceu calado, introspectivo.
– Ah, Dé, você não vai me negar isso, né? Vamos!
Ela saiu sem esperar resposta, pegou uma garrafa de vinho tinto na geladeira e duas taças, depois falou para todos, o mais alto que pôde:
– Pessoal, eu vou dar uma voltinha com o Dé, mas voltamos, ok?
Eles ficaram em silêncio, tentaram convencê-la a ficar, mas acabaram assentindo. Mel foi até a janela e puxou André pelo braço. Ele hesitou um pouco e depois se deixou levar.
A noite estava clara e movimentada. Eles caminharam de mãos dadas e em silêncio por uns cinco minutos. Foi ele quem falou primeiro:
– Acho que estou apaixonado, Mel.
Ela assentiu com a cabeça e então sentiu um calafrio. Então era isso, pensou, claro, eu devia ter imaginado...
Passaram-se alguns minutos até que ele resolvesse falar mais alguma coisa.
– Eu estou apaixonado por você.
Ela sentiu-se tépida por dentro, dormente por fora. Seu coração começou a bater rapidamente e ela teve vontade de soltar sua mão na mesma hora. Tentou falar alguma coisa, mas não havia voz e, mesmo que houvesse, ela não saberia o que falar.
Um pouco adiante estava o mar, eles se aproximaram, tiraram as sandálias e sentaram-se na areia. Melissa abriu a garrafa de vinho e encheu as taças. Eles começaram a beber, Melissa bebia avidamente. Ele notou isso e comentou:
– Se continuar bebendo assim tão rápido, vai acabar ficando bêbada...
Ela não lhe deu ouvidos, bebeu mais um longo gole e então falou com a voz completamente insegura:
– André, quero transar com você.
André nunca em sua vida se sentira tão surpreso, excitado e medroso. Seu coração parecia querer arrombar o tórax e sair voando dali. Pegou a garrafa de vinho e deu um longo e demorado gole, no gargalo. Ela sorriu.
– Eu estou tão insegura quanto você, Dé, mas eu quero fazer isso. Não me pergunte os motivos exatamente, pois eu não sei. Sei apenas que não posso me apaixonar por você, mas quero ao menos por um instante ter você dentro de mim.
Ele olhou para o lado e falou com a voz trêmula:
– Você ta ficando bêbada.
Ela sorriu.
– Você sabe que não.
Nesse momento, ela aproximou o rosto e, com os lábios ainda úmidos de vinho, lhe deu um beijo de leve. Ele retribuiu-lhe o beijo de forma insegura e depois mais avidamente. Havia um breve sentimento de culpa em seu peito, mas havia muito tesão em suas calças e isso era suficientemente mais forte do que qualquer consciência pesada que pudesse ter pelo motivo em questão.
– Melissa... – tentou falar, mas jamais terminaria àquela frase.
Ela se afastou olhando em seus olhos e André percebeu que ela estava chorando. Sentiu-se culpado e quis abraçá-la, contudo ela se afastou e levantou sem pressa. Começou a despir-se, ficando apenas com suas roupas de baixo, e falou olhando para o mar:
– Ali, André.
Ela caminhou a passos lentos e mergulhou no mar. Ele permaneceu sentado por mais um momento, fitando-a, desejando-a, o mesmo corpo que por várias vezes havia protagonizado o papel de amante em suas fantasias.
– Te amo... – murmurou para si -, te amo, minha irmã...

Roberto Denser
Eveline | 23:54 |
Sábado, Setembro 15, 2007
Depois de tempos e tempos...

Encostar da tua - Ana Carolina
Eveline | 00:04 |
Domingo, Setembro 09, 2007
Sim... é muito bom SER surpreendida ... :) : ) Coisas tão simples que muitos não enxergam...

:)

7 de setembro...tão bom...
...e por falar em independência... :)

Eveline | 21:37 |
Segunda-feira, Setembro 03, 2007
"Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade". Nietzsche

Sim...ainda há vontade de ser surpreendida... mas nem todos me deixam estar de braços abertos.

" O que " - Maysa
Eveline | 00:49 |